August 28, 2018  No comments entrevista, Notícia

Entrevista ao site wmagazine.com, em Julho de 2018.

Você sempre quis ser ator?
Não, eu nem sempre quis ser ator. Quando eu percebi que havia pouca coisa para mim quando eu estava na escola, eu entrei no departamento de teatro e descobri algo pelo qual eu tinha paixão, e por sorte eles foram muito bons na época, então eles conseguiram me envolver em produções escolares. Um dos quais era Cabaret. Eu interpretei o emcee. Foi uma produção bastante divertida, e então aqueles professores sabiam com certeza mais do que eu sobre as possibilidades de ser uma carreira e as possibilidades de ir para a escola de teatro. Eu não sabia nada sobre isso e, felizmente, consegui me candidatar a uma escola de teatro no dia anterior a todas as inscrições acabarem, e consegui entrar em uma delas. Havia apenas uma no final porque eu tinha deixado tudo para depois, como tudo.

E isso mudou sua vida, não?
Sim. Eu suponho que sim. O diretor da peça que fiz diretamente da escola de teatro foi Nicholas Hytner. Fiz duas peças com ele e, em seguida, Dark Materials de Philip Pullman e Mark Ravenhill. Então logo em seguida veio o History Boys. Isso foi uma sorte extraordinária. Então eu suponho que me envolvi no mundo do cinema via History Boys, que também se tornou um filme.

Na verdade, eu não passei muito tempo em Nova York desde que History Boys esteve na Broadway. Eu já estive aqui uma ou duas vezes, então toda vez que eu volto para a cidade eu tenho boas lembranças daquela época em particular e estou sempre muito consciente da sorte e da rapidez com que isso impulsionou o grupo de garotos para o mundo da televisão e do cinema. Nós realmente não sabíamos o quão sortudos nós éramos, em morar em Nova York e ser um sucesso na Broadway. Não há nada mais mágico que isso.

Me fale sobre seu novo show, Preacher. Como esse papel surgiu?
Preacher é baseado em um comic book sombrio, com muito humor para quebrar a escuridão. Eu não fui um garoto de gostar de quadrinhos, mas eu conheço alguém que tinha um irmão que usava jaquetas de couro preto, tinha muitos piercings e nunca saía do seu quarto. Certa vez, invadimos o quarto daquele garoto e ele tinha os quadrinhos de Preacher.

Quando eu ouvi sobre o roteiro, eu vi o comic novamente. Em uma das capas, vi esse desenho de uma cabeça. Eu vi uma pessoa demoníaca, demente e psicótica olhando para o meu rosto, e pensei: é um pouco eu.

Seth Rogen é um dos produtores do Preacher. Quando fui encontrá-lo, ele tinha cabelos enormes e uma barba enorme. Ele estava em uma névoa de fumaça de maconha. Ele estava tentando me explicar que o show teria pessoas com bundas como rostos e outras pessoas teriam sexo com carne. Eu pensei, não, isso não é para mim, obrigado. Mas, obviamente, eu tinha inalado tanto do que eles tinham que eu fiquei hipnotizado. Eu me inscrevi imediatamente. E eu não estou me arrependendo disso. Agora são três anos, podem ser sete.

Quando você faz um personagem sombrio como esse, isso afeta você? Você o leva para casa com você?
Não. Acontece com alguns projetos, mas não tanto com esse. Pode ser porque você é essa pessoa com tanta frequência, mais frequentemente do que você mesmo, suponho, se você está fazendo isso por 14 horas por dia e a inversão é tão rápida. Você está na frente da câmera o tempo todo, e você está apenas sendo essa pessoa. Com meu personagem [em Preacher], ele está muito em conflito. Ele é meio bom e meio malvado, e a razão pela qual essa entidade pode se manter dentro dele é porque é isso que ele é. Ele tem exatamente isso desde a infância e dos danos causados pela morte de seus pais.

Ele é cheio de ódio e raiva, mas também é uma pessoa muito piedosa que está desesperadamente tentando redimir os erros de seu passado. As coisas que ele faz, mesmo para as pessoas que ele ama, podem ser maliciosas e malvadas. É muito divertido de fazer.

Quais foram seus programas de TV favoritos enquanto crescia?
A Supermáquina, Magnum, Esquadrão Classe A. Eu também gostava de Twin Peaks, o original Twin Peaks.

E quanto a filmes? Quais filmes causaram a maior impressão em você quando criança?
Mulher Nota 1000 (Weird Science). Eu sou um grande fã de John Hughes. Gostava de Curtindo a Vida Adoidado; Antes Só do que Mal Acompanhado; e De Volta para o Futuro. Vendo Ferris Bueller dirigir meu carro favorito no mundo, tendo o dia de folga da escola… Eu sei que eles são realmente óbvios para dizer, mas foi quando eu comecei a ir ao cinema. Eles não foram os filmes que tiveram um impacto enorme. Lembro-me de ver os primeiros filmes de Mike Leigh e achá-los muito mais emocionantes. Eu acho que é isso que, em última análise, junto com peças de teatro e tal, me fez querer e perceber o impacto que isso poderia ter nas pessoas como uma forma de arte.

Que tipo de carro é seu favorito?
É uma Ferrari California, que foi a primeira Ferrari – eu descobri isso ontem – que o Sr. Ferrari foi forçado a fazer, porque ele era um piloto de corrida, para o público americano, e eles iam comprar carros porque ele precisava ganhar mais dinheiro para a Ferrari. Eu não posso acreditar que é verdade, mas aparentemente é. É por isso que se chama Califórnia. É impressionante.

O que você dirige agora?
Um velho Austin-Healey Sprite. Um Austin-Healey tem uma grade e pára-choques mais delicados, mas é como uma versão em miniatura da Ferrari. Quando eu originalmente tinha uma, a cerca de dez anos atrás, era o meu fingimento de ser Ferris Bueller.






Leave a Reply